Exercitar o silêncio!

Em meio a tanto baralho
Dessa tumultuada cidade
Devido as diversas formas
 De poluição sonora

Camuflada de liberdade
Que causam distorções
Ruídos e conflitos
Na comunicação

Dentro e fora
De cada ser pensante
Exercitar o silêncio
É um privilegio

Para ouvir o cérebro
Calando a mente
E o coração atordoado
Das ilusões

Que arrastam nossas vidas
Para as dimensões vazias
De amor e paz
Que vale muito mais

Do que os bens materiais
Que o dinheiro
Pode comprar
Ostentar e escravizar o ser

Esse ser carente do amor
De abrigo, de amigos, do silêncio
De uma verdade
Que promova o “ato libertador”

Da prisão construída
Pelo desejo de ter
Sem pesar as medidas
E o fardo que isso pode trazer

Somente o silêncio
Pode dizer quem a gente, de fato é
E o que é necessário
Para viver

Silêncio!
Julio Cantuaria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *