Seja a diferença!

Seja a diferença

Mágoas passadas
Não movem moinhos
Boas palavras
São asas
Que batem rumo
A um novo caminho

Seja a diferença

Afinal, não faz sentido
Se remoer e se consumir
Por motivos
Tão banais
E que não vão voltar mais

Seja a diferença

E todo mundo
É capaz
De recomeçar
De seguir em frente

Seja a diferença

Sem olhar
Para trás
nem tampouco
Desejar o mal
Para quem foi indiferente

Eu sei que ninguém
É igual a ninguém
Mas todos nós temos a opção
De fazer o bem
Aos irmãos

Então ponha a mão
Na consciência
E faça parte
Dos que querem
Ser a diferença

Seja a diferença!

Julio Cantuaria

Ti titi blá blá, blá! (falácias)

Ti, ti, ti, blá, blá, blá! (falácias)

Blá, blá, blá
Ti, ti, ti
É tudo que se ouve
E vê falar por aqui

E falam da vida alheia
Falam pelos cotovelos
E criticam a diversidade sem medo
E se esquecem de olhar no espelho

E meio a tantas falácias
Deixam de ouvir
De que o pré julgamento
É uma coisa muito feia

E faltam atitudes
Sobram palavras
E o senso comum se prende
Nessa  armadilha tão falha

Então escute mais
Fale menos
Encontre sabedoria e o equilíbrio
Que lhe trará a paz

E não promova
O pré julgamento
Já que você não é juiz
Aproveite o seu tempo vivendo

E será muito mais feliz
Escute a razão que diz
Aproveite o seu tempo vivendo
Porque ele voa como o vento

E a vida é curta de mais
Pra se perder tempo
Com falácias e fofocas
Que só trazem conflitos banais

Ti,ti,ti, blá, blá, blá
Julio Cantuaria

Eu sou é bicho solto!

Eu sou é bicho solto!

 

Não venha me falar de deveres
Se não posso ter
Os meus direitos

Eu já não sou mais igual a você
Que é capaz de se prender
E viver com medo
De ser você mesmo

Eu já não sou mais um robô
Eu sou é bicho solto

Se quiser
Pode me chamar de maluco
Porque eu faço o que eu gosto
Na hora que eu quero
E que se dane
O mundo

Eu sou eu mesmo
E já não tenho medo
E o que eu penso
Já não é mais nenhum segredo
Para ninguém

Mesmo assim
Eu sempre serei do bem
E se você quiser também
Pode embarcar nesse trem

A fé e a minha liberdade
É o que me mantém de pé
Nessa grande selva de pedra

Eu sou é bicho solto!

Julio Cantuaria

 

 

 

 

Eu não quero uma cidade cinza!

Eu não quero uma cidade cinza
Querem acabar com a arte
Da cidade São Paulo
E começaram apagando
Os grafites
Talentos e expressões das ruas
Por isso, vou lhe perguntar:
Qual a opinião sua?
Dar um lugar pra quem não tem
Aonde morar
Ninguém quer
Mas, os desenhos dos meninos
O Dória está no pé
E eu não me calo
Porque se não vão perseguir
O samba rock, Reggae e hip Hop
Que nasceu dos guetos
Para protestar contra as injustiças
Desse sistema opressor
Essa perseguição
É reflexo da ditadura militar
Que querem trazer de volta
Com suas correntes, grades
E mordaças invisíveis
Condenando os sonhos
Loucos, utópicos
Democráticos e expressivos
Por serem livres
Eu não quero
Uma cidade cinza
Eu não quero ver
A minha voz se calar
Por entre ruas e esquinas
Eu quero liberdade
Diversidade na cidade
São Paulo colorida
É muito mais bonita
E essa cidade é minha vida
Eu não quero uma cidade cinza
Julio Cantuaria

Justiça seletiva!

Cadê a nossa justiça?(justiça seletiva)
Rastaman
Positividade
Já não é mais
A palavra que representa
A nossa realidade
Afinal, são tantas coisas banais
Como corrupção
Conflitos de interesses
Violência e opressão
Roubando a nossa paz
E eu te pergunto:
Cadê a nossa justiça
Que só falha e tarda
Enquanto o mal se espalha
Por todos os lugares?
Além dela ser muito seletiva
A quem puder pagar
Enquanto muitos pagam com a vida
E desse jeito
As coisas nunca vão mudar
Mas, por favor, não se cale
E seja a esperança
E consciência do cidadão de bem
Junto com a luz divina
Que a cada manhã vem
Para nos despertar pra vida
E se a multidão
Não fosse tão desunida
A nossa atitude
Iria revolucionar o mundo
Mas, enquanto, é justo
Continuar fazendo a nossa parte
Por amor, justiça e liberdade
Cadê a nossa justiça?(justiça seletiva)

Tempos ruins (adoração do luxo).

Tempos ruins(adoração do luxo)
Eu sei que as coisas
Não vão nada bem
Mas, sei também
Que você tem
Poder de reação
Então manifeste a sua resistência
Peça a Deus proteção
Levante e lute
E se coloque em ação
Ame e busque a sua paz
Sem deixar pra trás
As coisas simples
Que te trazem alegrias e muito mais
Motivos pra viver
Nesses novos tempos
Tempos ruins
De crises, violências
Conflitos de interesses
E com tantas prisões na cabeça
A gente pensa
Que nada vai mudar
A gente pensa
Que felicidade é riqueza
E que tudo que se faça
Tem que ser por uma recompensa
Pra comprar e ter
As ilusões
Que o mundo vende
E o mundo transforma
Ilusões em desejos e necessidades
Que afasta a nossa consciência
Das razões de ser e dizer verdade
Sobre o destino
Que esse ciclo vicioso
Leva a humanidade
Excessivo consumo
A troco de tudo
Dá alma, da dignidade
Na adoração do luxo
Enquanto muitos
Amargam o lixo
Dessa grande desigualdade
E a gente pensa
Que nada mais vai mudar
Mas, você tem poder de reação
Peça a Deus proteção
E levante, lute
Ame, busque a sua paz
E coloque em ação
A sua consciência
Resistência e revolução
Na luta contra todo mal que há
Nessa Babilônia
Tempos ruins(adoração do luxo)
Julio Cantuaria